CONVENTO DE SÃO DOMINGOS

Convento de S. Domingos ou Convento de Santo António de Lisboa da Ordem de São Domingos

Fundado em 1559 por iniciativa de Manuel Fragoso e Beatriz de Negreiros, o Convento dos Dominicanos de Montemor-o-Novo “(…) teve a sua origem numa capelinha gótica (…) dedicada a Santo António que vinha, em fundamentos, de fins do século XIII (…)” (ESPANCA, 1975).

Depois de dada a autorização para a sua instituição, assinada pelo Cardeal D. Henrique, iniciou-se a edificação do templo em 1561 e alguns anos mais tarde, em 1565, a comunidade dominicana começava a construir o edifício conventual.

Embora se desconheça o autor da traça do convento, este edifício insere-se no modelo tipológico das igrejas dominicanas edificadas na segunda metade do século XVI (Idem, ibidem). As obras do complexo conventual prolongaram-se até cerca de 1619, data em que o convento ficou “habitável”, passando a albergar a partir de então uma pequena comunidade de religiosos.

No edifício destaca-se o revestimento da igreja, em ricos azulejos do séc. XVII, raros na Europa.
O decreto de extinção das ordens religiosas, em 1834, levou ao seu encerramento imediato, sendo vendido em hasta pública. No entanto, devido à incúria dos proprietários, as estruturas do edifício e da igreja entraram em progressiva degradação, pelo que o conjunto estava bastante arruinado em meados do século XX. Em 1972 o Grupo de Amigos de Montemor-o-Novo patrocinou um projeto de recuperação, da autoria do arquiteto Raul Santa Clara, que visou a adaptação do convento a biblioteca municipal e museu. Depois das obras, foi instalado neste espaço o Museu Arqueológico local.

O Núcleo Museológico é composto pelo Museu de Arqueologia e por várias salas de olaria, de arte sacra, de etnografia e de tauromaquia. No Museu de Arqueologia encontra-se recolhida uma parte importante do espólio da Gruta do Escoural. O Convento de S. Domingos está classificado como Imóvel de Interesse Público (Decreto nº 44075, de 05-12-1961).