O PASTOREIO

UMA ATIVIDADE PERMANENTE

O pastoreio e a criação de gado foi, até ao fim do século XVIII, uma actividade agrícola fundamental no Alentejo.

Atendendo à grande extensão dos baldios, à importância dos restolhos que ficavam, após as ceifas, nas terras ocupadas com a cultura dos cereais, e às folhas que ficavam anualmente em pousio, devido ao sistema de rotação de culturas, podemos entender quanto o pastoreio era uma actividade de grande importância económica.

Os cereais apresentavam uma grande irregularidade de rendimento pois só propiciavam lucros abundantes nos raros anos de fartas colheitas.          O gado podia garantir um rendimento mais regular pois que, mesmo nos anos agrícolas mais fracos, os animais podiam alimentar-se nos campos.

Os pastores dormiam em choças junto ao rebanho. Os mais novos, os “ajudas”, na maioria das vezes descalços, ajudavam os pastores a guardar e tratar do gado.